top of page
  • tapajosvivostm

Movimento Tapajós Vivo Junta-se a Mais de 50 Organizações Anunciando Boicote Ao Edital da Fundação Cargill


O Movimento Tapajós Vivo e mais 50 organizações da sociedade civil e movimentos sociais estão boicotando o edital “Semeia Fundação Cargill 2024”, lançado pela americana Cargill, líder do setor de agronegócio no Brasil, no dia 16 de fevereiro. Um manifesto foi lançado nesta quarta-feira, 3.


Foto: Viviane Borari


Para os indígenas, quilombolas, extrativistas, pescadores e outras comunidades tradicionais da Amazônia e do Cerrado, isso representa uma tentativa da Cargill de melhorar sua imagem por meio do financiamento de projetos socioambientais comunitários e alegados negócios de impacto. O que essas comunidades veem é que a Cargill, na verdade, promove a violação de direitos.


“Essa mobilização é necessária, porque não podemos aceitar que empresas que destroem a floresta e ignoram a nossa existência se vendam como amigas do meio ambiente. Eles oferecem dinheiro a projetos socioambientais, enquanto por trás  impulsionam projetos que podem destruir a Amazônia, como a Ferrogrão", declara Alessandra Korap, liderança indígena do povo Munduruku no Pará e presidenta da Associação Indígena Pariri.


As organizações também denunciam que a gigante do agronegócio está fazendo lobby para a Ferrogrão, um projeto de ferrovia incluído no PAC 3 do governo Lula. Se implementado, o projeto cortará 933 km de Floresta Amazônica ao meio para aumentar e escoar a produção já recorde de soja e milho no Mato Grosso e no Pará.


Segundo Sérgio Guimarães, secretário executivo do GT Infraestrutura e Justiça Socioambiental (GT Infra), “a Ferrogrão, é um projeto mal feito, que sequer considera alternativas e que se implantado, causaria fortes impactos na floresta e em todas as comunidades indígenas da região e que só se viabilizaria pela expansão da área plantada ao longo do trajeto causando desmatamento e inúmeros conflitos socioambientais”.


Pedro Charbel, assessor de campanhas da Amazon Watch, organização participante do movimento de boicote, afirma que nenhuma propaganda pode limpar a imagem da Cargill de suas violações diárias dos direitos dos povos e comunidades da Amazônia e do Cerrado.“A Cargill é um dos principais elos da cadeia de destruição desses biomas e, se depender de sua vontade de mais e mais lucro, projetos como a Ferrogrão agravarão ainda mais esse quadro”, defende.


Violações da Cargill


Foto: Viviane Borari

“A Cargill que alega preocupação com o meio ambiente, alimentação saudável e os direitos humanos é a mesma que impede pessoas de pescarem nas proximidades dos seus terminais portuários, que polui rios com suas barcas de soja, e modifica ecossistemas e modos de vida por seu desejo de lucro.  Ao afirmar que a sua missão é ‘promover a prosperidade das comunidades fortalecendo sistemas alimentares seguros, sustentáveis e acessíveis’, a Fundação Cargill tenta enganar consumidores do mundo todo e construir uma falsa imagem de empresa sustentável e ‘verde’ diante do mercado internacional”, diz o manifesto. 


O documento ainda pontua que o edital Semeia quer esconder que a Cargill “estimula o desmatamento, a grilagem de terras, a perda de biodiversidade, e a utilização de cada vez mais agrotóxicos ao promover uma cadeia de monocultura predatória e ilegal, opera portos irregulares em Santarém e Itaituba, e assedia territórios quilombolas em Abaetetuba”.


Por fim, as entidades convidam a população brasileira a se juntar ao movimento e não se inscrever no edital. “Se a Cargill quer de fato “apoiar histórias”, “cultivar vínculos” e “transformar o futuro”, que comece respeitando a legislação brasileira e internacional, os direitos dos povos e comunidades que habitam a Amazônia e o Cerrado, e interrompa  suas atividades de destruição nesses biomas”, finaliza a nota pública.

Confira a nota pública na íntegra:


Nós, organizações da sociedade civil, movimentos sociais e associações populares abaixo assinadas, denunciamos o  edital “Semeia Fundação Cargill 2024” e a tentativa da Cargill de limpar a sua imagem através do financiamento a projetos socioambientais comunitários e a supostos negócios de impacto. Para os povos indígenas, ribeirinhos, pescadores artesanais, quilombolas, camponeses e comunidades tradicionais diversas da Amazônia e do Cerrado, a única coisa que a Cargill semeia é a violação de direitos e a morte: a empresa atua  impulsionando a destruição desses biomas e favorece o complexo  global da soja e do milho, violando diretamente os direitos e modos de vida dessas pessoas através de suas infraestruturas e operações  logísticas.


A verdadeira Cargill, considerada a segunda maior empresa de capital fechado do mundo, não defende a natureza nem as comunidades locais, mas sim projetos de destruição como a Ferrogrão: uma ferrovia de 933 km que cortaria a floresta amazônica ao meio para aumentar ainda mais a produção, já recordista, de soja e milho no Mato Grosso e no Pará. Proposta e defendida pela Cargill, ADM, Bunge, Louis Dreyfus e Amaggi, a Ferrogrão resultaria em mais desmatamento, mais emissões de gases de efeito estufa, e ainda mais violações na região do corredor logístico Tapajós-Xingu - cujos portos, hidrovias, e rodovias já acumulam impactos socioambientais profundamente negativos. Com estudos falhos e ignorando alternativas, o projeto viola a constituição ao ameaçar diminuir o Parque Nacional do Jamanxim e desrespeita o direito à consulta livre, prévia e informada aos povos indígenas e comunidades tradicionais da região.


A Cargill que alega preocupação com o meio ambiente, alimentação saudável e os direitos humanos é a mesma que impede pessoas de pescarem nas proximidades dos seus terminais portuários, que polui rios com suas barcas de soja, e modifica ecossistemas e modos de vida por seu desejo de lucro. Ao afirmar que a sua missão é “promover a prosperidade das comunidades fortalecendo sistemas alimentares seguros, sustentáveis e acessíveis”, a Fundação Cargill engana consumidores do mundo todo e constrói uma falsa imagem de empresa sustentável e “verde” diante do mercado internacional. A Cargill que o edital Semeia quer esconder estimula o desmatamento, a grilagem de terras, a perda de biodiversidade, e a utilização de cada vez mais agrotóxicos ao promover uma cadeia de monocultura predatória e ilegal, opera portos irregulares em Santarém e Itaituba, e assedia territórios quilombolas em Abaetetuba.


Diante de tudo isso, e considerando o envolvimento da Cargill com outras violações fora do Brasil – de trabalho escravo e infantil no Mali à conspiração empresarial e discriminações raciais e de gênero nos EUA – é urgente que toda a sociedade civil brasileira boicote o edital “Semeia Fundação Cargill 2024”. Se a Cargill quer de fato “apoiar histórias”, “cultivar vínculos” e “transformar o futuro”, que comece respeitando a legislação brasileira e internacional, os direitos dos povos e comunidades que habitam a Amazônia e o Cerrado, e interrompa  suas atividades de destruição nesses biomas. 


  1. Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB)

  2. Articulação Pacari Raizeiras do Cerrado 

  3. Articulação Paraense de Agroecologia

  4. Associação Pariri

  5. Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais de Santarém AMTR-STM

  6. Associação Pai Caripetuba

  7. Associação Quilombola do Cumbe/Aracati - CE

  8. Associação Quilombola e Afrodescendente da Restinga 

  9. Amazon Watch

  10. Ação Clima Popular 

  11. Agência 10envolvimento

  12. Cáritas Brasileira Regional Norte II

  13. Centro de Estudos e Defesa do Negro e Negra do Pará (CEDENPA)

  14. Centro de agricultura alternativa do Norte de Minas (CAA/NM)

  15. Centro de Defesa dos Direitos Humanos e da Natureza de Bom Jesus das Selvas (MA) 

  16. Conselho Indígena Tapajós e Arapiuns (CITA) 

  17. Conselho Indígena Tupinambá (CITUPI)

  18. Comissão Pastoral da Terra (CPT)

  19. Conselho Indigenista Missionário - Santarém (CIMI-STM)

  20. Conselho Munduruku e Apiaká do Planalto

  21. Coletivo de Mulheres  Indígenas As Karuana

  22. Coletivo Toca Mamulengo

  23. Comitê de Defesa da Vida Amazônica na bacia do rio Madeira - COMVIDA 

  24. Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira - COIAB

  25. FASE Programa Amazônia 

  26. Federação dos Povos e Organizações Indígenas do Mato Grosso (FEPOIMT)

  27. Fórum da Amazônia Oriental - FAOR 

  28. Grupo de Pesquisa de História Indígena e do Indigenismo na Amazônia (GT HINDIA/UFPA)

  29. GT Infraestrutura e justiça socioambiental (GT Infra)

  30. Guardiões do Bem viver 

  31. Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) 

  32. Instituto KABU 

  33. Instituto Raoni

  34. Idec - Instituto de Defesa de Consumidores

  35. Instituto Ambiental Viramundo

  36. Instituto Internacional Arayara 

  37. International Rivers 

  38. Maparajuba Direitos Humanos na Amazônia

  39. Movimento Tapajós Vivo 

  40. Movimento Xingu Vivo

  41. Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB

  42. Movimento dos Pequenos Agricultores - MPA

  43. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST

  44. Movimento dos Trabalhadores Sem Teto - MTST

  45. Movimento em defesa dos territórios 

  46. Movimento SOS Chapada dos Veadeiros 

  47. Movimento Xingu Vivo para Sempre

  48. Movimento dos pescadores e pescadoras artesanais - MPP

  49. Mulheres em movimento das ilhas de Abaetutuba 

  50. Plataforma dos Movimentos Sociais por Outro Sistema Político 

  51. Rede de Agroecologia do Trairão

  52. Rede de Notícias da Amazônia

  53. Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos

  54. Robert F. Kennedy Direitos Humanos 

  55. Terra de Direitos


12 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page